Juliana Nogueira

Veganismo – Uma Forma Verdadeira de Amor

Pensei em muitos assuntos para escrever, mas não conseguia chegar a uma decisão. São tantos temas que permeiam o veganismo que eu não sabia por onde começar.  Parei um pouco, me concentrei e achei melhor começar pelo começo.

Meu nome é Juliana e sou psicóloga. Desde pequena tentei entender as pessoas, então, no ensino médio decidi fazer faculdade de psicologia. Essa decisão veio sugestionada pelos meus amigos que sempre me procuravam para conversar. A vida seguiu e o tempo passou. Me casei, tive minhas filhas, me formei e comecei a trabalhar como psicóloga clínica, sempre correndo, me dividindo entre o trabalho e o cuidado com o lar e a família, nada diferente da vida de muitos de vocês.

Em 2015, minha filha mais velha estudava para as escolas federais e nesse período ficou muito doente. Por se cobrar tanto, teve um transtorno de ansiedade e a consequência desse transtorno foi a síndrome do cólon irritável, trazendo a necessidade de uma dieta para diminuir o glúten e a lactose. Acabei aderindo à dieta também e a partir daí, começou o meu despertar! Senti a mudança no meu próprio organismo, as dores de cabeça e os inchaços diminuiram e eu me senti mais disposta durante o dia. Comecei a me interessar sobre o assunto e passei a ler sobre e seguir pessoas nas redes sociais, que me orientassem sobre a alimentação saudável.

Nas minhas buscas me deparei com a alimentação vegetariana e percebi a importância de mudarmos hábitos que foram estabelecidos há muito tempo como “saudáveis”. Fui percebendo que muitos desses hábitos estavam ligados no automático, eu simplesmente fazia, mas não pensava nas consequências para mim e para o mundo.

Comecei a refletir muito sobre isso e me percebi como um ser responsável por tudo que eu decido, então, resolvi mudar e me tornei vegetariana. Na primeira semana me senti muito melhor, meu corpo respondeu muito rápido a esse novo hábito e me sinalizou positivamente sobre como essa decisão havia sido importante. Aos poucos, fui tirando o foco de mim e ampliando minha visão em relação ao mundo e ao impacto das minhas atitudes e decisões diante da vida. Comecei a entender que tenho que ser a mudança e que ela acontece de dentro para fora. Não adianta reclamar do outro e sim, ser para ele, o exemplo.

Decidi me tornar vegana por não aceitar a crueldade que acontece diariamente com os animais e vejo no veganismo um despertar para a vida e para a nossa responsabilidade como seres em evolução.

Esse despertar deve ser  verdadeiro, deve ser seguido de alegria e envolvido com muito amor. Tudo o que fazemos com amor, flui de forma natural e envolve a todos que estão a nossa volta. O veganismo vai muito além da comida, traz a consciência do amor verdadeiro, do cuidado e respeito por todos os seres do nosso planeta.

Através do veganismo, trazemos a atenção para a nossa consciência moral, em que deixamos de olhar somente para nós e aprendemos a olhar para o outro com mais amor e tolerância. Devemos respeitar que o outro (como muitos de nós um dia…), ainda não despertou para a crueldade que existe ao comer um pedaço de carne, beber um copo de leite ou comer um ovo. Precisamos, através do exemplo, mostrar como os hábitos podem ser mudados e como o impacto dessas mudanças trazem benefícios não só para nós mesmos, como para os animais e para o planeta.

O veganismo é a demonstração pura do amor. O amor que perdoa, que acolhe, que orienta, que se alegra, que age!

Através deste espaço, estarei junto com vocês refletindo sobre esse amor que abraçamos para a nossa vida. Falarei  sobre o veganismo e o impacto dele no nosso psicológico e no nosso dia a dia.

Termino a nossa conversa por hoje com uma frase que me acompanha diariamente:

Sejamos a mudança e, aos poucos, estaremos contagiando a todos com o nosso exemplo!

Foi um prazer conversar com vocês, até a próxima!

Juliana     –     Instagram: @naturalmente_vida

2 comments
  1. Rose Mary Nogueira da Silva

    Parabéns Dra Juliana. Adorei a sua matéria. Foi muito esclatecedora. As vezes ficamos tomando vários remédios e a solução pode estar na nossa alimentação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *