Thalita Lipp

Veganismo – Uma Força Poderosa e Transformadora

Se um alguém voltasse no tempo e me dissesse que hoje, prestes a completar 40 anos, eu seria Vegana, ex-fumante e instrutora de Vinyasa Yoga, chamaria a pessoa de maluca.

Como a vida é uma caixinha de surpresas, cá estou eu, nessa realidade inimaginável do passado recente.

De maneira muito orgânica e quase insuportavelmente dolorida, minhas escolhas foram traçando um novo caminho, uma nova vida, um novo eu. Em conexão com o meu coração, no eterno pacto de sempre segui-lo; zuni o carretel da zona de conforto, redescobrindo a mim mesma.

Foi nessa descoberta do meu amor próprio que eu parei de fumar e passei a cuidar de mim como um templo que sou. Assim encontrei o amor coletivo. De alguma forma, o ego foi dando lugar à compaixão. Parei de usar o verbo na primeira pessoa do singular, pois, descobri que somos um e que tudo está ligado.

Uma sociedade cega, manipulável e doente, que prioriza o lucro, não está atenta à saúde do indivíduo e nem às relações saudáveis com aquilo que nos cerca. Quando surge uma “mentalidade” que seja diferente do que é considerado “normal, fatalmente será taxada como maluquice.

De malucos, nós veganos, não temos nada. Temos sim, a capacidade de nos colocar no lugar de outros seres, que não têm voz para lutar pelo que é seu de direito: viver e viver com dignidade.

É preciso ter mais coragem para amar do que para matar.

Sair do automático imposto pelo inconsciente coletivo e arcaico, e expor-se ao julgamento alheio e desinformado, é tarefa árdua, mas, absolutamente gratificante.

Além de propagarmos o amor, fomentamos a economia com uma nova demanda e estamos plantando a semente para garantir a sobrevivência e o futuro da humanidade.

Ou mudamos a maneira com que nos relacionamos com a mãe Terra, seus recursos naturais e todos que nela habitam, ou a vida no planeta não terá futuro.

Eu me sinto como uma planta de Lótus que sobreviveu à lama e de mim nasceu uma flor.

Veganismo para mim é isso; é ter a capacidade de florescer em um mundo cruel e violento. Veganismo é a capacidade de sentir amor por tudo o que nos cerca e é compreender que toda a vida vale a pena, começando pela nossa própria existência.

Veganismo é a escolha de dar à nossa efêmera passagem nesse mundo, um propósito maior. Ser vegano é amar mais, ser vegano é ser coração!

Abraço e muita luz, Thalita.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *