Adriana Medeiroz

Veganismo Explicado pela Física Quântica

Desde que me tornei vegetariana, tenho sido constantemente questionada por amigos e familiares por ter feito essa escolha. É comum eu ouvir que isso é bobagem, que nascemos assim, que nossos dentes têm também como função, dilacerar carnes.

Para não entrar em conflitos de pensamentos e de diferença de opinião, costumo amorosamente explicar a todos, a lógica metafísica da dieta, sem querer fazer apologia ao mesmo.

Repasso um conhecimento que fez com que eu me tornasse vegetariana assim que tive acesso a ele. Foi com o livro “O Segredo de Shambhala”de James Redfield, que despertei para essa fantástica escolha consciente.

Num determinado ponto do livro, há uma conversa entre um monge do Tibet e um ocidental, que visitando o local, perguntou por que ele não se alimentava de animais. O monge então lhe explicou, que todas as doenças resultam de uma queda na energia vibracional e quando essa energia desce abaixo de um certo ponto, há forças naturais no mundo, cuja função é desincorporar os nossos corpos.

Quando alguém ou algum animal morre, as células do seu corpo perdem imediatamente a sua vibração e ganham uma composição química muito ácida. Esse estado ácido é o sinal para os micróbios do mundo, os vírus, as bactérias e fungos, indicando-lhes que está na hora de decomporem o tecido morto.

Quando comemos estes animais mortos, eles são metabolizados e deixam um resíduo em nossos corpos.

Este resíduo tem uma natureza ácida ou alcalina, dependendo do alimento. Se for alcalina, então pode ser extraída rapidamente dos nossos corpos, gastando pouca energia. Contudo, se estes produtos residuais são ácidos, dificilmente são eliminados pelo sangue e pelo sistema linfático e ficam armazenados em nossos órgãos e tecidos, como sólidos – formas cristalinas de baixa vibração que criam bloqueios ou perturbações nos níveis vibracionais das nossas células.

Os outros alimentos derivados de animais, como os laticínios, também criam um ambiente ácido. Se começamos a nos parecer com este ácido, ou estado mortal, então começamos a sofrer o ataque dos micróbios.

Todas as doenças humanas resultam deste ataque.

Os alimentos ácidos (alimentos mortos), baixam o nosso nível vibracional, até um ponto em que as forças da natureza começam a devolver os nossos corpos à Terra.

A doença é, literalmente, um apodrecimento de uma parte dos nossos corpos, porque os micróbios à nossa volta receberam o sinal de que já morremos.

Os alimentos alcalinos são mais verdes, mais frescos e mais vivos, assim como os vegetais e frutas.

Todas as doenças debilitantes que atormentam a humanidade existem porque poluímos os nossos corpos, dando sinal aos micróbios dentro de nós, de que estamos prontos para decair, perder energia e morrer.

Acidez = envelhecimento = doença = morte.
Alcalinidade = juventude = saúde = vida.

Atualmente há várias vertentes médicas que trabalham a cura de doenças consideradas incuráveis, utilizando alimentos alcalinos.

Ser vegetariano ou vegano, não é apenas uma questão social ou moda como muitos pensam, e sim de consciência amorosa em relação ao corpo e o amor pelos outros seres que merecem a vida, tanto quanto nós.

Para finalizar, deixo uma citação do Dr. Albert Schweitzer: “Quando o homem aprender a respeitar até o menor ser da criação, seja animal ou vegetal, ninguém precisará ensiná-lo a amar seus semelhantes.”

Energias Amorosas a você – Adriana

Recomendação para Leitura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *