Sem categoria

Exercitando o Músculo Vegano

De todas as perguntas que mais escuto: “mas como você consegue Músculo sem carne?”, essa é a primeira reação, quando estou treinando e me oferecem um “Whey Protein” e então recuso por ser vegana.

É interessante quebrar a barreira do senso comum com exemplo. Preciso ser muito sincera, eu adoro! É o que sempre digo, quando você quer produzir mudanças, mude você! Eu mesma só comecei a questionar a alimentação quando conheci pessoas muito incríveis e elas eram vegetarianas. Não que todo vegano ou vegetariano, seja incrível, mas…. foram coincidências curiosas em minha vida. Gosto sempre de interpretar alguns tipos de coincidências como “chamados”.  E incrivelmente, quando compreendi esses “chamados” minha vida se transformou!

Muito engraçado quando falam algo do tipo “achei que sua alimentação era normal”.  Eis, o tal conceito da “normalidade”, de verdade, não sei porque essa palavra existe. Não faz sentido. “Normal” devia ser igual impressão digital: única e particular de uma pessoa só. Tudo nesse mundo é relativo, os “normais” se fundem, se somam, se contradizem e infelizmente… chega a pontos de brigarem. Esse é o ponto terrível das oposições de “impressões digitais”. O “normal” em massa, acaba se transformando no padrão cultural.

E então o que tem a ver o “normal” e o exercício do musculo vegano!? Tem tudo a ver minha gente!! O musculo vegano que eu chamo aqui, é um musculo muito profundo… porque ele está localizado na sua essência! Se você quiser não precisa intitular como “vegano”, até porque se você ainda não é, não fará muito sentido. E para quem é, seja humilde, pois sempre temos coisas novas para conhecer a aprender

Então vamos voltar ao músculo, porque as séries serão intensas! Preparados? Vamos lá, quero que você busque o seu “normal” na sua essência!

1. A primeira série é para cada afirmação diga: – Por quê?

Você já esteva na idade do “porque”, e tenho certeza que todo mundo tem doutorado nisso (afinal de contas, foi 1 ano de formação!). Então porque, não perguntamos mais tanto por que?

Seja uma criança explorando o mundo e questione as incongruências.

.

2. Busque informações.

Existe uma frase de Buda, que considero muito sábia “ O conflito não é entre o bem e o mal, mas entre o conhecimento e a ignorância”.

Por isso, informe-se em fontes seguras e confiáveis. Na dúvida, outra vez questione!

 

3. Terceira série: – Alinhe seus valores

Você já pensou sobre seus valores? Vamos dar exemplos:

Honestidade, respeito, empatia, caráter, compaixão, comprometimento, igualdade, responsabilidade, ética… são alguns exemplos de valores. Tenha claro quais são eles. Agora traga para reflexão, e se pergunte:

Suas ações estão alinhadas a seus valores? Qual o impacto de suas ações sobre aquilo que você considera mais importante para a vida?

 

4.Quarta série – Mude!

Lide com as incongruências e assuma sua responsabilidade. Se você percebeu que aquilo que questionou e aprendeu e como agia não está alinhado a seus valores, que tal mudar?

.

5.Quinta série- Pratique a Empatia Diariamente

Esse é o exercício diário é muito importante, sempre se coloque no lugar do outro, independe de cor, classe social ou espécie!  Se questione novamente, sua ação é coerente a seus valores?

 

6.Sexta séria: Repita o ciclo!!

Nada é fixo ou permanente! Cada dia é um dia de questionar e evoluir.
.

Essa é a série que preparei para Exercitar o Músculo Vegano!! Tenho plena certeza que ao você buscar o “normal” em sua essência pequenas transformações começarão na forma como você vê o mundo, age, consome, veste, e se relaciona! Pequenas, que irão crescendo e melhor ainda, “contaminando” os outros que estão próximo a você!

Veganismo, é algo que tem que vir do coração. Pois o significado verdadeiro está no Agir ! E se você ainda não é, tenho plena certeza, que seguindo esses passos, perceberá certo desconforto ao assumir o plano da responsabilidade e as mudanças serão naturais!!

Termino meu texto com a frase que eu adoro: “ Se você quer mudança, seja a mudança que você quer ver no mundo! ”.  

Abraço, Priscila Teruko Kondo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *