Monique Zuma

Como me Tornei Vegana – 5 Dicas para a Transição

Olá, eu sou a Monique do @veganismoporamor – Há pouco mais de um ano descobri como as indústrias da carne, do leite e de ovos funcionam e me senti péssima por contribuir com toda aquela crueldade. Assisti a vídeos e li artigos que me devastaram.

A carne é cruel por si só. Não tem sentido naturalizarmos o consumo e a exploração de alguns animais, enquanto tratamos outros como membros da família. Todos merecem viver e ser respeitados da mesma forma!

Na indústria de laticínios as vacas são violadas para estarem constantemente grávidas e produzindo leite. Seus bezerros são privados da companhia da mãe e do alimento que é deles por direito, para se tornarem carne de vitelo. Quando as vacas não estão mais produzindo satisfatoriamente, são abatidas.

Na indústria de ovos as galinhas são criadas em cubículos em condições degradantes e têm seus bicos cortados para não se automutilarem, devido ao extremo estresse a que são submetidas. Quando sua produção cai, são mortas, assim como os pintinhos machos que nascem e não têm serventia para a indústria.

Quando descobri essas e tantas outras atrocidades cometidas diariamente com milhares de animais, foi como se tivessem tirado uma venda dos meus olhos. Eu vi como as coisas realmente acontecem e, a partir desse momento, não pude mais agir como se fosse algo natural ou aceitável.

A causa animal foi o que me fez despertar, mas a questão ambiental é tão importante quanto. Estamos acabando com o planeta e com seus recursos, degradando a natureza sem pensar nas consequências. Muitos não sabem, mas a criação de gado contribui enormemente para isso. A pecuária é responsável pela emissão de ao menos 50% dos gases de efeito estufa e 75% do desmatamento da Amazônia. Portanto, tomar banhos mais curtos, separar o lixo, reduzir o consumo desnecessário, usar meios de transporte alternativos, nada disso será suficiente se você continuar comendo carne. Quanto maior for o consumo de carne, maior será o rebanho criado e, consequentemente, maior o prejuízo para o meio ambiente.

Além de tudo, os benefícios que uma dieta vegana traz à saúde são inúmeros, o que por si só já justificaria a adoção dessa alimentação.

Com tantos motivos para me tornar vegana, não pensei duas vezes. Desapegar-se de hábitos antigos nem sempre é fácil, mas precisamos sair da nossa zona de conforto.

Minha transição para o veganismo durou 1 mês.

Muita gente me pergunta como eu consegui não ter recaída e seguir firme no propósito, então separei 5 dicas que me ajudaram bastante para compartilhar com vocês.

1) FAÇA A CONEXÃO

Enxergue o “alimento” desde a sua origem. Pense no quanto algum animal precisou sofrer para que você satisfaça seu paladar. Com o tempo essa associação será automática e você mudará sua concepção do que é comida.

2) INFORME-SE

Para seguir firme no propósito e conseguir explicar seus motivos para as pessoas, é necessário que você tenha conhecimento. Assista a documentários como Cownspiracy, Wath the healthy, Terráqueos, Forks over knives, leia artigos e saiba defender sua escolha. Isso, além de te ajudar a ter certeza de que está fazendo a coisa certa, pode estimular alguém a despertar também.

3) FAÇA AMIZADE COM PESSOAS VEGANAS

O convívio social pode ser complicado quando você vive em ambientes em que não há veganos. Essa parte fica mais fácil quando conhecemos pessoas que partilham a nossa filosofia de vida e são capazes de nos entender com mais facilidade.

4) CUIDE DA SUA SAÚDE

Procure profissionais da saúde para ter orientação de como se alimentar, mantenha os exames em dia para evitar qualquer problema. A alimentação vegana é riquíssima, mas precisamos reaprender a comer, já que ela é diferente do que estávamos habituados. Quanto mais saudável você for, menos argumentos as pessoas terão para criticar a sua mudança. Lembre-se que somos o cartão de visitas do nosso estilo de vida.

5) PLANEJAMENTO

Organize suas refeições com antecedência. É interessante ter o hábito de deixar coisas prontas congeladas, como sopas, hambúrgueres, legumes e o que mais você gostar. Isso facilita muito no dia a dia. Além disso, quando for a um evento procure comer antes de sair e leve sempre alguma coisa. Se não der tempo de fazer algo que todos possam comer, leve apenas para você. Outra dica é ter snacks na bolsa, para qualquer imprevisto. Sempre tenho nuts, barrinha de cereais, frutas… Sentir fome em um lugar sem opção vegana é um convite e tanto para ter recaída, né? Portanto, planejamento nesse sentido é muito importante.

É isso! Espero muito ter ajudado vocês. Qualquer dúvida ou sugestão, comentem que eu responderei com prazer!

Abraço, Monique

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *